Suspeito de agredir professora pode ser internado, diz promotora


Adolescente tem histórico por agredir mãe, colega e ameaçar conselheiro tutelar.

A Promotoria de Justiça de Indaial informou que o aluno de 15 anos suspeito de dar um soco na professora Marcia Friggi, de 51 anos,tem histórico de violência doméstica e envolvimento com drogas, bem como passagens por agressão.

"O Ministério Público avalia que, confirmada essas acusações [agressão a professora e histórico de violência], seja possível postular uma internação", disse a promotora de Justiça de Indaial, Patrícia Tramontim.

Na segunda-feira (21), dia da agressão, a professora fez boletim de ocorrência contra o estudante. Ela disse à polícia que o caso ocorreu na sala da direção de uma escola municipal de Indaial após ela chamar a atenção do aluno. Segundo ela, o soco foi forte o suficiente para jogá-la contra a parede.

Ainda segudo a promotora, para a solicitação de internação é preciso aguardar que a Polícia Civil repasse as informações finais do caso. Na terça (22), o delegado responsável pelo caso, José Klock, afirmou que quer concluir o inquérito até o final da semana.

De acordo com o Ministério Público, o adolescente já teve que prestar serviços a comunidade e teve outros atos infracionais.

"Em casos de lesão corporal costuma-se por padrão nessa promotoria pedir a prestação de serviço comunitário. O que temos como agravante neste caso é a reincidência, esse histórico de desrespeito tanto na família, como no colégio", diz a promotora.

Patrícia também conta que o aluno tem histórico de evasão escolar. "A família precisa dar o suporte, o pai, a mãe, precisam fazer o enfrentamento da situação com o adolescente. A gente precisa ver no município, se ele permanecer aqui, alternativas que possam colocar ele no devido caminho. Não se transforma um adolescente de 15 anos de uma hora pra outra", afirma a promotora.

Histórico de agressões

Em 2016, o adolescente já havia sido denunciado por lesão corporal contra a própria mãe e, em 2017, por ameaça contra um Conselheiro Tutelar, que acompanha o desenvolvimento do rapaz. Na ocasião, o jovem havia afirmado que daria um soco no rosto do profissional.

Conforme a promota, ele também bateu em um colega de classe em outra escola.

Depoimentos

Marcia prestou depoimento na terça-feira. Klock afirmou que o depoimento da professora foi basicamente o que ela já havia relatado no boletim de ocorrência. "Coerente, discurso normal", resumiu. "Ela não quer represália contra o adolescente, não quer que gere mais violência".

Nesta quarta (23), a polícia deve ouvir a diretora e mais três pessoas que estavam com ela na sala onde teria ocorrido a agressão. Em seguida, o adolescente deve prestar depoimento.

"Já entramos em contato com a mãe dele. Vamos buscá-lo, levá-lo. Temos interesse de dar prioridade ao caso em virtude do clamor público", declarou o delegado.

Por G1 SC


6f169828-38ea-4338-96df-ed2842a566e5.jpg
e7fecd30-2a15-4427-b13c-ff7239795fb9.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
c2c9063e-ef01-4b45-89ef-a4f835f274c0.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg