Rondônia registra aumento de 34% nos casos de dengue


Conforme o Levantamento de Índice Rápido (Lira), o criadouro predominante é o lixo. A preocupação e orientação mais importante ao cidadão é a conscientização com o descarte correto do lixo comum. Por conta disso, a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) reforça à população sobre os cuidados para evitar os criadouros do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, zika e chikungunya.

De acordo com a Agevisa, os agentes municipais são responsáveis pela coleta de dados de infestação, com visita nas residências, onde orientações também são repassadas aos moradores. “Mas, é necessário fazer a limpeza semanalmente no quintal porque pode passar algo despercebido. Às vezes uma pequena brecha no lixo pode acumular água e virar um criadouro”, alerta Bárbara Lopes, coordenadora estadual de combate a dengue. “De nada adianta aplicar o fumacê em lixo, sem que primeiramente seja intensificado o mutirão de limpeza. Por último deve ser usado o inseticida, mas deve-se trabalhar com a prevenção”, acrescentou a coordenadora. Prevenir é a melhor forma de evitar a dengue, zika e chikungunya, tendo em vista que a maior parte dos focos do mosquito se encontra nas residências.

Com informações da Secom

EDIÇÃO DE HOJE Nº 118

5c39b923-e1ce-4dea-b7ef-e2e1ee12cdac.jpg
56422362_2285627121709462_41902581880518
d1e1841c-2d85-458a-bd16-3f434b913cc6.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
CONVENIO UNIMED.png
ARTE ANUNCIO.jpg