top of page

Médicos pelo Brasil: Jaqueline Cassol defende que médicos formados no exterior sejam incluídos no pr


Deputada vai propor emendas ao texto para corrigir fragilidades e garantir justiça no programa

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) recebeu com estranheza a notícia de que o programa Médicos pelo Brasil, lançado nesta quinta-feira (1), pelo Governo Federal, em substituição ao Mais Médicos, não atende os profissionais formados no exterior. A parlamentar anunciou que vai atuar, na Comissão Mista, para corrigir possíveis falhas presentes no texto.

Através de Medida Provisória, o Governo Federal alterou as regras de seleção dos profissionais. Poderão participar do programa apenas médicos com Registro Médico Profissional (CRM). Jaqueline Cassol elogiou a ação do Ministério da Saúde em lançar um novo modelo para o programa, mas criticou a abertura do edital antes da realização da prova do Revalida. “Não é justo que o Governo lance o programa em substituição ao Mais Médicos, sem realizar a prova do Revalida. Muitos médicos, inclusive brasileiros, formados no exterior aguardam essa oportunidade e serão prejudicados se este formato continuar”.

O Texto prevê o aumento na oferta de vagas em regiões remotas, gratificação para médicos lotados em localidades distantes, e alteração na metodologia de escolha dos municípios, para garantir o atendimento em áreas mais vulneráveis. Estão previstas 18 mil vagas. Destas, 13 mil devem estar em municípios avaliados como de difícil provimento, sendo 10 mil no Norte e Nordeste.

No entanto, a deputada Jaqueline Cassol lembrou que o índice de desistência de profissionais com CRM, lotados em regiões remotas, é altíssimo, o que pode prejudicar a população dessas localidades. “Os médicos formados no exterior só querem uma chance de voltar para o Brasil e trabalhar, inclusive onde os que tem CRM renunciam. O pagamento da gratificação para esse profissionais é uma estratégia interessante, mas por experiência, sabemos que pode ser insuficiente”.

A Medida Provisória cria o Bolsa Formação. A ideia é que o médico aprovado no programa receba um auxílio de R$ 12 mil reais para fazer especialização em saúde da família e comunidade. Após esse período o profissional será avaliado e, se aprovado, será contratado pelo Governo, com carteira assinada. O Médicos pelo Brasil cria também a Agência para o Desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde (ADAPS), que cuidará da seleção e contratação dos profissionais.

A proposta do Governo Federal será discutida por Comissão Mista, onde participam deputados e senadores. Jaqueline Cassol garantiu que irá propor emendas ao texto para corrigir fragilidades e garantir justiça no programa. “Ampliando esse debate vamos construir um texto que atenda os brasileiros que precisam do atendimento de saúde e também os profissionais formados no exterior que tenham aptidão para exercer a medicina no Brasil”

Confira vídeo da defesa da deputada pelo Revalida: https://www.instagram.com/tv/BzMRxKvgwnI/


6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
e20bd367-7acc-4475-8da3-9fbc6ec09c2a.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
4c431daf-e845-4334-9e53-725fdf7616c6.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg
bottom of page