Realidade sobre conflitos no campo é debatida em audiência pública


Uma audiência de importância social, com reconhecimento a uma realidade de injustiça social em nosso País e nosso Estado e de resistência na busca por dignidade no campo. Está é síntese do deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT) a realização da Audiência Pública de lançamento do Caderno de Conflitos no Campo Brasil 2018, hoje (25), na Assembleia Legislativa.

A atividade, de propositura do deputado Lazinho e organização em parceria com a Comissão Pastoral da Terra (CPT Rondônia), foi marcada pela apresentação de registros reais sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro em 2018, neles inclusos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais; trazendo dados que exigem ações de enfrentamento para que haja justiça e igualdade na distribuição de terras em todo nosso país.

“Esta atividade é de denuncia e registro da luta e resistência pela terra e para manter-se nela”, afirmou o deputado Lazinho registrando também seus cumprimentos à CPT “que atua com responsabilidade e traz clareza para toda sociedade sobre a realidade da busca pelo acesso á terra”.

Na apresentação dos resultados obtidos no caderno Conflitos no Campo Brasil 2018 registrou-se 1.489 conflitos em 2018 ante os 1.431 de 2017, o que representa um aumento de 3,9%. A maioria destes conflitos está concentrada na região amazônica com 38,5 milhões de hectares de terra estão em disputa, representando quase 5% de todo o território nacional e 97,7% da terra em disputa.

Em relação a assassinatos em 2018, 86% ocorreram na Amazônia Legal, sendo 16 no Pará e seis em Rondônia (com mais quatro em análise), somando 24 na região. No resto do País, foram registradas quatro mortes.

A audiência reuniu representações de entidades dos estados de Rondônia, Acre, Roraima e Amazonas. Todos imbuídos nesta causa, contra a exclusão da população do campo, das ameaças e das mortes. E, conscientes da realidade e preocupados, bem como indignados, com a falta de governo sobre estas questões, da consciência e vontade política às mesmas.

Para o Bispo da Diocese de Roraima, Dom Mario Antonio da Silva, aquele momento foi de um anuncio e denuncia, “pois os dados são estarrecedores”. De questionamento ao estado e outros organismos que tem responsabilidades nessa dimensão da terra, não só de tomar conhecimento, mas de evitarem futuros conflitos. E reforçou que é preciso vontade política para resolver os problemas do campo. “Questionamos a morosidade, a omissão a impunidade.”

Dom Mario clamou para que a luta siga por políticas agrárias justas, e que não seja admitido que justificativas legitimem a situação de violência no campo. “Esse relatório é público e corajoso e instrumento de luta por justiça e dignidade”, observou.

O deputado Lazinho da Fetagro encerrou agradecendo a todos, em especial a CPT, e colocando seu mandato sempre à disposição e como parceiro de luta.


6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
62ce543a-677e-4a3b-97cd-6e12438d7d2d.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
4c431daf-e845-4334-9e53-725fdf7616c6.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg