Lazinho da Fetagro defende em projeto de lei a permissão das práticas populares de saúde no Estado


Para o deputado, a aprovação desta lei é de relevância social

O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT) apresentou projeto de lei estabelecendo no âmbito do Estado, permissão e reconhecimento das práticas populares de educação e saúde nas comunidades, como nova tecnologia de apoio complementar à saúde pública.

Ele esclarece que as medidas visam o atendimento das comunidades carentes do Estado, com vistas ao seu bem-estar e a melhoria da qualidade de vida.

“Elas têm por finalidade a promoção da saúde e a prevenção de doenças através de práticas que utilizam basicamente recursos e terapias naturais”, reforça o deputado.

Entre as modalidades terapêuticas adotadas nas práticas populares de educação e saúde estão: homeopatia popular, fitoterapia, terapia floral, acupuntura, massoterapia, hidroterapia, cromoterapia, aromaterapia, oligoterapia, geoterapia, quiropraxia, iridologia, hipnose, trofoterapia, naturologia, ortomolecular, ginástica terapêutica, terapias da respiração, reiki, constelação familiar, barras de acces, bioenergia e radiestesia.

De acordo com a proposta de lei, estas modalidades deverão ser desenvolvidas por profissionais devidamente habilitados e qualificados pelos respectivos órgãos de classe municipal, estadual ou federal. O projeto também autoriza e reconhece o trabalho desenvolvido na área de educação e saúde pela Pastoral da Saúde, que em Rondônia atua há 28 anos, principalmente, na prevenção da saúde das comunidades mais pobres e afastadas dos grandes centros médicos.

Ao defender a aprovação da lei, o deputado argumenta que a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a homeopatia como terapia alternativa e complementar. E que o uso e a prática da “homeopatia por não médicos” e um direito adquirido pelas comunidades em geral, reconhecido pelo Código Brasileiro de Ocupações (CBO), numeração 322125.

Para o deputado, a aprovação desta lei é de relevância social, “pois os atendimentos abrangem as camadas mais carentes da sociedade rondoniana, pessoas que não tem acesso aos medicamentos industrializados e nem sempre são disponibilizados pelo SUS, além de que, visa a educação e prática de hábitos saudáveis com emprego de produtos naturais para recuperação e prevenção à saúde física, mental, ambiental e segurança alimentar, contribuindo assim, diretamente com o próprio SUS na prevenção de doenças”.

Foto: Marcos Figueira


6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
62ce543a-677e-4a3b-97cd-6e12438d7d2d.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
4c431daf-e845-4334-9e53-725fdf7616c6.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg