PF faz operação para prender quadrilha especializada em tráfico interestadual de drogas e lavagem de


Drogas eram remetidas de Porto Velho e Ariquemes para os Estados da Bahia e São Paulo — Foto: Polícia Federal/ Divulgação

Mandados são cumpridos em cidades de Rondônia, São Paulo e Bahia. PF descobriu organização após uma apreensão de droga no ano passado.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (26) a Operação Sarepta, que visa desarticular uma organização criminosa especializada no tráfico interestadual de drogas e lavagem de capitais. Ao todo, 27 mandados são cumpridos por agentes em Rondônia, São Paulo e Bahia.

As investigações começaram em janeiro de 2018, quando a PF identificou a apreensão de duas cargas de entorpecentes em Itabuna (BA) e São Paulo. A carga totaliza 140kg de cocaína.

Conforme a PF, essas drogas eram remetidas de Porto Velho e Ariquemes (RO) para a Bahia e São Paulo. Os entorpecentes eram escondidos no interior de peças metálicas de chumbo, para burlar qualquer tipo de fiscalização, as quais eram transportadas por empresas de boa-fé e sem participação no esquema criminoso.

Drogas eram escondidas no interior de peças metálicas de chumbo — Foto: Polícia Federal/ Divulgação

Para lavar o dinheiro ilícito obtido com a venda das drogas, as investigações apontam que os suspeitos adquiriram imóveis, gados e veículos, sendo que alguns caminhões eram locados a órgãos públicos com o intuito de aparência de legalidade ao dinheiro ilícito no interior do estado de Rondônia.

Segundo a PF, são cumpridos três mandados de prisão preventiva, cinco mandados de prisão temporária e 19 mandados de busca e apreensão em Porto Velho, Ariquemes (RO), Alto Paraíso (RO), Monte Negro (RO), Rio Crespo (RO), São Paulo e três cidades da Bahia.

Além das prisões e buscas, a Vara de Delitos de Tóxicos de Porto Velho determinou o bloqueio de contas bancárias e bens dos investigados, assim como sequestro de imóveis, veículos e gados.

Investigações da Operação Sarepta começaram em janeiro de 2018, segundo PF — Foto: Polícia Federal/ Divulgação

O suspeito apontado como líder do grupo criminoso, é dono de uma loja de celulares em Ariquemes, usada para a emissão de notas fiscais falsas e para a lavagem de dinheiro.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, os presos, que responderão pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro, serão encaminhados para as unidades prisionais, onde permanecem à disposição da Vara de Delitos de Tóxicos.

Por G1 RO


6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
62ce543a-677e-4a3b-97cd-6e12438d7d2d.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
4c431daf-e845-4334-9e53-725fdf7616c6.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg