CLAMOR POPULAR PEDE FIM DO 'LIXÃO DE JI-PARANÁ'


Petição Popular contra o fim do lixão no município deve ganhar os gabinetes do Palácio Urupá, Câmara de Vereadores e órgãos ambientais

A empresa MFM Soluções Ambientais, que investe na construção de aterros sanitários em Rondônia, abriu assinaturas de uma Petição Popular pedindo o fim do ‘Lixão de Ji-Paraná’, que funciona há mais de 10 anos no município da região Centro do Estado. A ação envolve a sociedade local, que já iniciou movimento para levar o tema ao Palácio Urupá (Prefeitura de Ji-Paraná), a Câmara de Vereadores e órgãos ambientais.

Parte do texto da petição diz: “Viemos solicitar às autoridades que resolvam a situação da disposição do lixo urbano em nossa cidade, eliminando o lixão a céu aberto. Somos sabedores que o mesmo vem prejudicando o meio ambiente, tornando-se grande poluente da atmosfera e do lençol freático, transmitindo doenças e oferecendo um local de trabalho desumano aos catadores de recicláveis. Pedimos que assinem esta petição para que sejam tomadas as providências necessárias na solução deste problema”.

O documento ainda sugere a utilização do Aterro Sanitário Regional de Ji-Paraná – em fase final de conclusão – para realizar a disposição ambientalmente correta do lixo no município, que produz cerca de 90 toneladas de resíduos sólidos urbanos por dia.

A Petição Popular tem endereço eletrônico (na internet) www.peticao24.com/diganaoaolixao.

As preocupações com o ‘Lixão de Ji-Paraná’ ganharam mais visibilidade após uma Audiência Pública realizada na Câmara de Vereadores local, em 29 de novembro passado, levantando um clamor da população contra o funcionamento do lixão no município.

As palavras da professora de Engenharia Ambiental Margarita Orozco, da Universidade Federal de Rondônia (Unir), provocaram um despertar sobre a questão do lixo urbano em Ji-Paraná e suas consequências ao meio ambiente. Margarita afirmou os efeitos do lixo jogado a céu aberto são devastadores, especialmente para os mananciais, incluindo o lençol freático (águas subterrâneas).

Na audiência, a professora perguntou se as autoridades em Ji-Paraná fizeram denúncias contra a presença do lixão municipal. “O que foi feito pelos senhores (ela falou na presença de vereadores e debatedores) para denunciar o ‘Lixão de Ji-Paraná’ para a prefeitura e outros órgãos para fechamento do local?”.

Entre os debatedores, estava Acássio Figueira, ex-diretor Geral do Detran em Rondônia, um crítico ferrenho da instalação do Aterro Sanitário Regional de Ji-Paraná. Até mesmo ele concordou com Margarita: “O lixão contamina o lençol freático”. Mas, o ex-diretor também reconheceu: não fez denúncia contra o ‘Lixão de Ji-Paraná’.


6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
62ce543a-677e-4a3b-97cd-6e12438d7d2d.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
4c431daf-e845-4334-9e53-725fdf7616c6.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg