Grávida sofre com cobrança extra e desabafa após viagem de táxi


"As pessoas relembram o nascimento dos filhos e é ótimo, mas o nascimento da minha filha é um assunto sensível para mim"

Cherise Gwilt estava no mercado, com dois dos quatros filhos, quando entrou em trabalho de parto. Desesperada, a mulher de 43 anos pediu por um táxi para ir ao hospital. A bolsa estourou enquanto ela estava no veículo.

Ao chegar no seu destino, a surpresa desagradável: a mulher recebeu a notícia de que teria que pagar 40 libras (cerca de 200 reais) além do valor da corrida de 4,60 libras. Ela deu à luz três horas depois e, agora, seu companheiro diz que ela foi tratada de maneira “desrespeitosa”. A mulher teve que pedir para que seu filho de 12 anos de idade fosse a um caixa eletrônico para sacar as 40 libras. Isso depois de ter contado ao motorista do táxi que sua bolsa tinha estourado durante a viagem, que aconteceu na quinta (10) pela manhã. “Quando o táxi encostou, a minha bolsa estourou enquanto eu estava saindo do carro. O motorista me disse que eu teria que pagar mais por causa do acidente. Mas eu estava tendo contrações e os meus filhos estavam em pânico. Então, eu mandei o meu menino ao caixa eletrônico e o taxista aceitou o dinheiro. Foi absolutamente horrível. O nascimento da minha filha é um assunto sensível para mim por causa do que aconteceu horas antes“, desabafou Cherise. O marido de Cherise, Martin Hyson, de 39 anos, concorda com ela: “Quando eu cheguei a Cherise estava às lágrimas. O taxista disse que a cobrança era uma política da companhia. O que aconteceu com a Cherise foi nojento. Ela teve que fazer uma cesárea e menos de três horas depois do incidente ela deu à luz nossa filha“, disse. Após a repercussão do caso, a empresa responsável pelo taxista que fez a cobrança quer reembolsar a mamãe pelo transtorno e acredita que o caso aconteceu por uma “falha de comunicação”.

A empresa diz que o motorista achou que a mulher tivesse “urinado” no banco de trás do veículo. “Eu conversei com o motorista e ele disse que a passageira havia sujado o banco e ele achava que era urina. Nós temos uma cobrança por sujeira porque, quando isso acontece, o motorista não pode trabalhar. Nós não cobramos os passageiros se a bolsa estourar“, disse o gerente Zahir Ahmad. “Nós gostaríamos de reembolsar a consumidora já que o motorista fez uma cobrança incorreta“. As informações são do The Daily Mirror.


Bannerweb_SOBREVIVENTE_ALERO_970x250.gif
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg
EUCATUR.jpg
300x2500 (1).png
e7fecd30-2a15-4427-b13c-ff7239795fb9.jpg