Comissão Temporária para tratar da Regularização Fundiária recebe membros da Suder, Terra Legal e In


Órgãos passaram informações e apresentaram relatórios sobre situação de Rondônia quanto a titulação de terras

O presidente da Comissão Temporária Especial destinada a averiguar todo processo de Regularização Fundiária em Rondônia, Só na Bença (PMDB), recebeu na reunião de quarta-feira (11), dirigentes da Superintendência de Desenvolvimento do Estado (Suder), do Programa Terra Legal e do Incra.

Na reunião, que também contou com o deputado Dr. Neidson (PMN), membro da comissão, os convidados puderam explanar aos parlamentares toda a situação do Estado quanto à regularização fundiária.

Só na Bença ressaltou que a comissão foi criada em razão da preocupação dos deputados quanto a situação do homem do campo, no que diz respeito a titulação de terras e assegurar segurança para as famílias poderem trabalhar sem medo.

Basílio Leandro de Oliveira, superintendente da Suder, disse entender a preocupação dos parlamentares e parabenizou o presidente Maurão de Carvalho (PMDB) que, segundo ele, tem trabalhado harmoniosamente com o Executivo. “É uma gestão de calmaria”, salientou Basílio.

O superintendente explicou que em se tratando de regularização fundiária, é necessário destacar duas áreas distintas, a zona Rural e a zona Urbana. Em relação às áreas da zona Rural, ele explicou que o Estado vem atuando como parceiro da União, que tem suas prerrogativas especificadas na nova lei federal de regularização fundiária (nº 13.465/2017), sancionada em 11de julho deste ano.

Segundo Basílio, o governo solicitou que a União passasse para o Estado algumas glebas e que os termos de outorga estariam sendo aguardados. Ainda de acordo com o superintendente, algumas áreas dependem de dispêndio financeiro do proprietário.

Ele ressaltou que o Estado pretende criar um órgão que trate unicamente da regularização fundiária de Rondônia. Inicialmente, segundo Basílio, pensou-se em um Instituto de Terras, porém, também existe a hipótese de um desmembramento de uma diretoria da Suder, para evitar gastos à máquina pública.

Sobre regularização fundiária em zonas urbanas, Basílio informou que o Estado já entregou mais de 14 mil títulos em 22 municípios de Rondônia, por meio de convênios com as prefeituras. A meta do governo ressaltou, é de entregar 46 mil títulos. Questões como georreferenciamento, recurso e licitações são fatores que, segundo Basílio acaba demandando mais tempo.

Sorrival de Lima, representando o Programa Terra Legal, apresentou um relatório sobre os aspectos gerais da Amazônia Legal e toda a estrutura fundiária que ela compreende, incluindo Rondônia. Segundo ele, o objetivo do Terra Legal é promover a destinação e a regularização fundiária de terras públicas federais não destinadas na Amazônia Legal.

A missão do programa destacou Lima, é a de contribuir para a governança fundiária das glebas da Amazônia Legal de forma transparente por meio do diálogo interinstitucional, favorecendo a segurança jurídica e a inclusão produtiva sustentável.


c2c9063e-ef01-4b45-89ef-a4f835f274c0.jpg
934b0fec-b165-406b-bf07-01ae73250ec7.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
2022 dom.jpg
                                                     Notícia Em Destaque                                                     
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
6f169828-38ea-4338-96df-ed2842a566e5.jpg
e7fecd30-2a15-4427-b13c-ff7239795fb9.jpg
EUCATUR.jpg
a0b9d943-d73d-4b47-880b-58c1c18c75f1.jpg
6e52628e-9cfa-4231-88ed-162c493c3769.jpg
d2ea8d0f-0c5c-4bf3-860d-af688e0bcf0d.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
a05d55d4-665c-4af4-b7f1-6e740d661e27.jpg
5bb1e9a9-b366-4571-9ff5-9b2272c77dc5.jpg