Obras do HM de Cacoal continuam paralisadas


Uma nova licitação será aberta e deverá levar no mínimo 60 dias para os trabalhos.

No projeto de construção do hospital constam 95 leitos, segundo Glaucione Rodrigues

A construção do Hospital Municipal (HM) de Cacoal já ganhou alguns capítulos. Desde que foi informado que a obra seria realizada, já houve duas mudanças de local, e desde que foi dada a ordem de serviço para a empresa que ganhou a licitação iniciar a obra, em maio de 2016, apenas a terraplanagem foi feita no local. De acordo com a prefeita do município Glaucione Rodrigues (PMDB), a licitação foi cancelada e a empresa será multada em R$ 3 milhões. A obra deveria ter sido entregue em maio deste ano.

O HM será construído no Residencial Green Ville, em uma área de 29,250 mil metros quadrados que foi doada ao município ainda em 2016. Segundo a prefeita, além da empresa ter feito apenas a terraplanagem no local, parte desse serviço foi perdido devido o período chuvoso. Pelo cronograma, a empresa responsável pela obra, a conclusão estava prevista para maio de 2017, porém, no início deste ano a empresa abandonou a obra, e em março a prefeitura decidiu por cancelar o contrato e a licitação.

“Nós tentamos entrar em contato com os responsáveis pela empresa, notificamos para que retomassem os trabalhos, divulgamos em jornais de grande circulação, enfim, fizemos todas as buscas necessárias, mas infelizmente essa empresa não compareceu e no dia 20 de março tivemos que fazer o cancelamento da licitação”, contou a prefeita.

Além de não cumprirem com o acordado com a prefeitura, os responsáveis pela empresa deixaram funcionários sem pagamento e receberam do município o valor de R$ 375 mil.

Próximos passos

A prefeita conta que agora será feita uma nova licitação, para isso é necessária a atualização das planilhas de valores, sendo que 70% dessa atualização já está pronta, após esse trabalho, esses novos valores deverão ser apresentados à Caixa Econômica Federal e após aprovação fazer novamente a abertura da licitação, o que deve demorar cerca de dois meses.

“Essa empresa frustrou o sonho dos cacoalenses de ter um hospital decente para oferecer atendimento, além de ter deixado um grande prejuízo na administração pública. Nós abrimos um processo de penalidade contra essa empresa, onde a parte contratual diz que a multa para o não cumprimento do contrato é de cerca de R$ 3 milhões e está em trâmite na prefeitura”, contou.

Por Magda OliveiraDIÁRIO DA AMAZÔNIA


CONVENIO UNIMED.png
682a8f16-9535-4ecc-b613-4e0c2a098aad.jpg
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg

EDIÇÃO DE HOJE Nº 118

5c39b923-e1ce-4dea-b7ef-e2e1ee12cdac.jpg
anigif.gif
EUCATUR.jpg
e20bd367-7acc-4475-8da3-9fbc6ec09c2a.jpg
                                                     Notícia Em Destaque