Projeto de Mariana Carvalho garante medida em defesa do meio ambiente


A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB – RO) apresentou projeto de lei que obriga a utilização de materiais biodegradáveis na composição de bandejas, copos, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico e de isopor destinados ao contato direto com alimentos.

Pela proposta da tucana, fica estabelecido que em até quatro anos da publicação dessa Lei, a composição de bandejas, copos, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico e de espuma de poliestireno (isopor) destinados ao contato direto com alimentos deverá conter, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) de material biodegradável.

O prazo estipulado para que os fabricantes e os estabelecimentos comerciais possam se adequar às novas normas é de quatro anos a partir da data de aprovação do texto. Esse período é considerado razoável pela autora do projeto para que os processos de produção do plástico biodegradável aos poucos sejam, adotados.

Na justificativa da matéria, a parlamentar reconhece a importância do plástico no processo industrial da sociedade moderna, mas faz um alerta: “O problema que o plástico representa para o meio ambiente vem do grande volume do material que é descartado de forma inapropriada em lixos e aterros sanitários, bem como o fato do mesmo não se degradar facilmente, persistindo por décadas na natureza”.

Mariana Carvalho ressalta que a vantagem durante a vida útil dos materiais plásticos se transforma em um grande problema na hora do seu descarte. Ela reconhece, que alguns desses materiais como luvas e seringas, entre vários utilizados na área médica, são imprescindíveis para a segurança da saúde da população, enquanto outros como os utensílios do setor de alimentação, a exemplo dos pratos, talheres, bandejas e copos de plástico ou isopor, podem ter seu uso limitado.

Alguns países têm aderido a medidas restritivas à utilização de plástico e isopor em produtos destinados ao consumo e descarte. Cidades norte americanas, como Nova Iorque, já adotaram normas para restringir a utilização de isopor em copos e bandejas para acondicionar alimentos.

Recentemente, a legislação francesa proibiu a utilização de sacolas plásticas e determinou que, até 2020, copos, taças, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico deverão apresentar em sua constituição 50% de materiais de origem vegetal e serem biodegradáveis. “Entendemos que o Brasil pode tomar iniciativa semelhante”, concluiu Mariana.

Assessoria – João Albuquerque


CONVENIO UNIMED.png
682a8f16-9535-4ecc-b613-4e0c2a098aad.jpg
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg

EDIÇÃO DE HOJE Nº 118

5c39b923-e1ce-4dea-b7ef-e2e1ee12cdac.jpg
anigif.gif
EUCATUR.jpg
e20bd367-7acc-4475-8da3-9fbc6ec09c2a.jpg
                                                     Notícia Em Destaque