EDIÇÃO DE HOJE Nº 118

Banner-Prefeitura-de-Cacoal-Trabalho-Pela-Vida-970x250-Animação (1).gif
4dfe1fc3-4482-426c-b6b8-0e93536a662f.jpg

Lava-Jato nas mãos de Janot: confira o futuro da delação bombástica


Suspense sobre o que disseram delatores da Odebrecht continua. Presidente da Corte não permitiu que material fosse divulgado e procurador-Geral da República preferiu não falar sobre as confissões que devem atingir cúpula do PMDB

Quase dois meses após a assinatura dos acordos, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, homologou as delações premiadas de 77 executivos da Odebrecht. Os depoimentos, mantidos sob sigilo, foram remetidos ainda ontem à Procuradoria-Geral da República (PGR), que dará prosseguimento às próximas etapas da investigação.

Ontem, o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, reuniu-se com Cármen para buscar pessoalmente os documentos, mas evitou tecer comentários sobre a delação. Janot disse que "não é hora" de falar a respeito. O procurador também não informou se pedirá a quebra do sigilo dos depoimentos. Nesta etapa, a Justiça só pode autorizar o fim do segredo se houver um pedido da PGR.

As delações atingem em cheio a cúpula do PMDB e podem até duplicar o tamanho da Lava-Jato. Ontem, Temer, que é citado nas delações, elogiou a decisão de Cármen. "Acho que a presidente Cármen Lúcia, que até tinha preanunciado sua decisão para hoje ou amanhã, fez o que deveria fazer. E nesse sentido fez corretamente", disse. O presidente ainda disse esperar que não haja vazamentos. Os depoimentos de executivos da Odebrecht incriminam tanto atores principais do governo do PT, quanto do governo do presidente Michel Temer e líderes do PMDB no Congresso.

A condução do processo no Supremo ficará a cargo do próximo relator. Cármen deverá definir até amanhã, quando o Judiciário volta do recesso, a forma que fará a escolha. A tendência é que haja um sorteio na segunda turma, da qual Zavascki fazia parte, para determinar o novo responsável pelo processo. Compõem o colegiado Celso de Mello, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowiski. Um ministro da primeira turma também pode ser transferido para a segunda. Há a expectativa de que Edson Fachin o faça.


a59463af-00b9-4516-a45a-c2a7b9e975e1.jpg
anuncio TERRAFORTE.jpg
EUCATUR.jpg
Banner-Prefeitura-de-Cacoal-Trabalho-Pela-Vida-970x250-Animação.gif
BANNER SITE.png
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg
CONVENIO UNIMED.png
682a8f16-9535-4ecc-b613-4e0c2a098aad.jpg
be27f0c5-4fa9-41c5-98a8-9ac5c645f951.jpg
e20bd367-7acc-4475-8da3-9fbc6ec09c2a.jpg
                                                     Notícia Em Destaque