EDIÇÃO DE HOJE Nº 118

6429316e-92ab-426c-92d0-41a2de232145.jpg
24174133_1944909432494834_4108635420390726574_n.jpg

Fundamentos do cultivo orgânico para hortas, fertilidade do solo e colheitas fartas


A fina camada que sustenta a vida

Um pedaço de terra fértil à nossa volta é um mundo único, um equilíbrio sutil a ser observado. O homem é um elemento a mais que precisa se integrar pois suas ações irão modificar esse equilíbrio, alterando sua totalidade. Qualquer ação, por menor que seja, altera a sequência evolutiva da natureza e portanto, deve ser feita com muito cuidado e respeito. Para cultivar hortas orgânicas, é preciso conhecer o solo. Continue lendo para conhecer um pouco mais sobre a terra que sustenta a vida e como prepará-la para colheitas fartas.

“Aqueles que ensinam precisam manter sempre o desafio de estudar a Natureza e não os livros”. William A. Albrecht.

A fina camada de terra fértil, com certa de 20 centímetros de espessura, que recobre boa parte da crosta terrestre, demora cerca de 8.000 anos para ser fabricada pela natureza. Fragmentando as rochas e as transformando em solo, pela interação de diversos elementos como o sol, ventos, chuvas, gases, pressão atmosférica, ácidos, óxidos e sais, trabalhados por bilhões de micro-organismos.

Cuidando da camada superficial

Dessa camada superficial de solo fértil, depende toda a vida. Um pequeno descaso pode destruir rapidamente o que a natureza levou milênios para construir. Uma mata nativa cortada para agricultura altera de forma sistemática esse equilíbrio. Pode provocar a migração da fauna, erosões e alterar todo o ciclo da vida.

Uma planta se desenvolve a partir da energia do sol, que é traduzida pelos cloroplastos, pigmentos verdes que contém clorofila. Os cloroplastos absorvem o gás carbônico do ar, exalando em troca o oxigênio. Por sua vez, as raízes absorvem água e nutrientes do solo. A planta cresce pela combinação do gás carbônico, água, nutrientes e a luz do sol. Para aprender a cultivar hortas orgânicas, é preciso conhecer como a vida se organiza em torno dos elementos.

Energia

Pela fotossíntese a planta produz açúcares para se alimentar e disponibilizar o alimento para humanos e animais. Sem isso, nenhum animal existiria na terra. Em cada elo da corrente da cadeia alimentar, a quantidade de energia vai diminuindo, pois cada organismo transmite menos energia que recebe.

Menos de 1% da energia que chega à atmosfera é absorvida pela planta na fotossíntese. O resto se dispersa em forma de calor. Portanto, quanto mais curta for a cadeia – por exemplo, vegetal-homem, maior será a quantidade de energia alimentar disponível no elo final.

“É preciso ter como que um pressentimento dos mistérios da vida”. Rudolf Steiner.

Vida na terra

As cadeias cíclicas terminam nos organismos que decompõem os restos vegetais e animais. Esses restos são incorporados ao solo. Fertilizando-o e criando condições para que a planta germine e se desenvolva. Iniciando um novo ciclo.

A decomposição dos restos vegetais e animais em matéria orgânica, é feita por inúmeros organismos. Entre eles, estão os mamíferos, minhocas, lesmas, formigas, caracóis, aranhas, centopeias, vermes, cigarras, larvas, nematoides e protozoários. Se o solo é tóxico, por ação dos químicos, um ou mais desses organismos desaparecem. Podem inclusive causar prejuízos nas culturas em volta. Se os químicos acabam com todos esses agentes naturais, o solo morre e com ele toda a vida.

Minhocas

Esses bichos do solo digerem diversos tipos de materiais, abrem galerias, melhorando a infiltração da água. Melhoram também a drenagem, aeração e penetração das raízes das plantas. As minhocas são especialmente importantes em hortas pois comem terra e matéria orgânica, transformando tudo em húmus. Húmus é um alimento de alta qualidade para as plantas. As minhocas abrem galerias em sua movimentação no solo, que vão desde a superfície até três metros de profundidade.

Esses túneis aumentam a porosidade e seus excrementos a fertilidade do solo. Um solo fértil pode conter de 500 a 2.000 quilos de minhocas por hectare. Os processos finais e mais complexos de decomposição ficam por conta de outros seres vivos. São os micro-organismos como as bactérias, fungos, actinomicetes e algas. Com um solo naturalmente fértil, hortas em pequenos espaços podem produzir alimentos de ótima qualidade.

Erosão

Grandes quantidades de solos férteis vão por água abaixo, sem retorno,